Chegando nos cinemas do Brasil em 25 de março, o novo filme Godzilla vs Kong trará outra vez o Rei dos Monstros para uma colisão de feras jurássicas. Embora divida o protagonismo com outro ancião do cinema (Kong), será a chance de Godzilla se consolidar como líder incontestável, ou ter o trono roubado.

Para, então, entender melhor quais são as vantagens e desvantagens dos monstros em Godzilla vs Kong, é necessária uma varredura nas suas origens históricas.

Se você é louco por feras jurássicas, então talvez se interesse por:

A Origem de Godzilla

Visto pela primeira vez em Gojira (1954), uma produção japonesa de Tomoyuki Tanaka sob direção de Ishirō Honda, o jurássico monstro só poderia ser descrito como um dinossauro gigantesco e massudo. Durante o filme, Godzilla é despertado como resultado deu uma explosão atômica, e aterroriza a cidade de Tóquio em sua marcha imparável.

Porém, as razões por quais foi criado vão além da simples devastação da capital do Japão, pois descrevem uma crítica dura ao poderio dos Estados Unidos da América e suas bombas atômicas.

A história por trás da sua criação

Começa no dia 22 de janeiro de 1954, com o navio de pesca Daigo Fukuryu Maru. O navio zarpou da cidade de Yazu – Japão, mas, um mês depois, apresentava complicações na comunicação e no motor, além de estar se aproximando da área onde alguns testes com bombas atômicas haviam sido feitos.

Assim, no dia 1º de março, os pescadores avistaram no horizonte, em vez de um sol irradiando as primeiras cores da manhã, um clarão estranho. Algum tempo depois, uma chuva de cinzas caiu sobre o navio, mas nada impediu a pescaria de continuar.

Sem saber, os pescadores da Daigo foram expostos à radiação de uma bomba de nêutrons de 15 megatons!

Em poucos dias, ao retornarem ao Japão, a radiação os consumiu de queimaduras e sangramentos severos. O primeiro tripulante a morrer foi o operador de rádio da nau. Portanto, quando o filme abre, a primeira cena que Ishirō Honda quis mostrar foi Godzilla acordando e destruindo o navio. Em consequência, o operador de rádio morre.

As armas biológicas de Godzilla

Agora que demos uma olhada na origem e criação do monstro, vamos ver quais são seus maiores atributos:

Podemos considerar que a criatura apresentada em Gojira (1954) ainda estava na “juventude” da sua anatomia jurássica, já que ao longo dos anos seu tamanho vem crescendo.

No filme de 1954, Godzilla tem seus 50 metros de altura, enquanto que em Godzilla (2014) ele tem mais do que o dobro, chegando aos 108 metros.

Seu peso atual beira as 80 mil toneladas e cientistas como Rhett Alan e Craig McClain, que analisaram com mais detalhes a besta mitológica, afirmam que na proporção de crescimento atual, o monstro estará com 170 a 288 metros em 2050.

Contudo, este crescimento demandaria uma expectativa de vida prolongada, então precisamos definir quantos anos o monstro poderá viver.

“Geralmente, quanto maior o animal, maior o tempo de vida”, disse o biólogo e pesquisador Átila Iamarino. Também compara a relação de idade das aves a do rei dos monstros. Entende que, nessa relação, o gigante viveria até os 1035 anos.

O “hálito” atômico

O biólogo aponta, também, que a fonte de energia necessária para Godzilla usar seu ataque de raios seria ao preço de uma fissão nuclear por dia. Ou seja, o raio, que é explorado de maneiras diferentes pelas produções de cinema e séries de televisão, poderia ser usado só uma vez ao dia.

De costas, o monstro se assemelha muito a um estegossauro bípede, devido as suas placas nas costas. Essas placas serviam ao estegossauro como uma termorregulação, ou seja, liberava o calor do corpo através delas.

Considerando todas as calorias necessárias para fazer o monstro fictício atacar, seu raio teria de reservar constantemente energia para ser dispersada, em quantidade encontrada somente em usinas nucleares.

King Kong em “Godzilla vs Kong

Kong de A Ilha da Caveira de 2017

O rival do rei dos monstros em Godzilla vs Kong é o gorila de aproximadamente 120 metros de altura, nesta nova história. Mesmo que em outros filmes sua altura não beirasse metade do tamanho, a solução de equilíbrio que os produtores incluíram em Kong provocou a ira de alguns apaixonados do universo compartilhado de monstros; já que o primata colossal enfileira uma vasta linhagem de produções no cinema, consideradas obras primas de suas eras.

A lista de filmes se estende em, por exemplo:

  • King Kong (1933);
  • O Filho de King Kong (1933);
  • King Kong vs Godzilla (1962);
  • King Kong Escapes (1967);
  • King Kong (1976);
  • King Kong Vive! (1986);
  • King Kong (2005);
  • Kong: Ilha da Caveira (2017);

Até o atual:

  • Godzilla vs. Kong (2021).

Apesar de ter sido concebido em solo americano, algumas de suas versões passaram por terreno japonês. Não por coincidência, já passou pelas mãos de Ishirō Honda, um dos criadores do Godzilla original.

Embora haja similaridades nas narrativas de destruição de metrópoles, cada filme em sua época explora os efeitos especiais na margem da criatividade. Tanto que geram ótimas críticas até hoje e empolgam os fãs a cada nova produção, o King Kong (1933) e Gojira (1954).

O Coração de Kong

Ainda que possua uma cara ameaçadora, o coração do gorila gigante vai além do esperado. Na versão original, King Kong se apaixona pela protagonista do filme (Fay Wray), uma atriz nova-iorquina que atuará nas cenas gravadas da ilha tropical.

Como resultado do coração mole, Kong acaba sendo capturado e levado, em correntes, para Manhattan. Quando se liberta, instaura o caos sobre a cidade, até que é abatido pelos caças americanos. Mas nunca deixa sua amada cair.

A Origem na Ilha da Caveira

A expedição do último longa (2017) acontece durante a década de 70. Dentro da narrativa, bem como nos filmes antecessores, Kong é louvado pelos aborígenes da terra, que lhe oferecem sacrifícios de tempos em tempos.

Contudo, há outros animais, que naturalmente deveriam estar extintos, vivendo na ilha e debaixo dela. Tais “Criaturas da Caveira”, como são chamadas pelo personagem de John C. Reilly (Hank Marlow), habitam a ilha e são nêmesis da linhagem de Kong.

O gorila rei é o último sobrevivente de sua espécie, “protetor” do povo que vive na ilha. Entre as criaturas que ameaçam destroná-lo, estão:

  • Brontossauro;
  • Sarcosuchos;
  • Arachnocidis;
  • Carnictis;
  • Artrophleura; 
  • Deinacrida rex; 
  • Deplecto;
  • Abyscidis; 
  • Piranhadon titanus; 
  • Terapusmordax obscenus; 
  • Vastatosaurus rex;
  • Ferrucutus;
  • Ligocristus;
  • Moonspider;
  • Cunaepraedator;
  • Megapede humus;
  • Brutornis;
  • Hebeosaurus.

O que esperar de Godzilla vs Kong?

Apesar de equilibrada, a luta de verdade acontecerá entre o coração dos fãs que admiram cada uma das feras. Se considerarmos a sinopse oficial do filme, então há chances de que Kong estará lutando pelos humanos. A citação exata é:

Kong e seus protetores empreendem uma perigosa jornada para achar seu verdadeiro lar…”

Portanto, o vencedor da empatia humana, aliado até certo ponto, parece inclinadamente ser Kong. No entanto, como a história do gorila gigante já mostrou antes, aliar-se a humanos poder ser um erro mortal.

Vantagem ou desvantagem? Cabe ao novo filme responder.

Gostou de saber um pouco mais sobre o rei dos monstros? Esteja por dentro da história de outras feras jurássicas: no Vale dos Dinossauros o mundo é toda delas!

Diz aí, sua torcida está com Godzilla ou Kong?

Argumento: Mateus Dias

Imagens: Warner Bros. / Reprodução

Capa: Mateus Dias

Fabricielo

Redator e Copywriter

Sobre o Autor

Escritor, poeta e redator de conteúdo para web na Vanguarda Marketing & Consultoria.

Visualizar Artigos