Como prometido nos trailers, a série Falcão e o Soldado Invernal entrega a ação dos quadrinhos em escalas cinemáticas.

Mais uma vez, a Marvel aposta na capacidade de histórias mais profundas e íntimas, como foi o caso de WandaVisão – série que tratou com as consequências de Vingadores: Ultimato (2019). Em Falcão e o Soldado Invernal não é diferente; o trauma em pessoas que desapareceram por 5 anos fica evidente e molda a trama.

A partir de agora, os comentários serão com spoilers! Portanto, recomendamos assistir o episódio antes de continuar lendo, caso não queira ser avisado das surpresas.

Se você gosta de ficar por dentro do universo geek, então esses são blogposts feitos para você:

Falcão e o Soldado Invernal começa com ação nas alturas!

A princípio, Sam Wilson (Anthony Mackie) tem de lidar com o peso de receber o escudo do Capitão América. Sam, então, pondera se abraça ou não o antigo cargo que pertencia a Steve Rogers (Chris Evans).

Contudo, essa pergunta fica suspensa e só ganha alguns segundos no começo da trama, já que a verdadeira atração deste primeiro episódio está na ação.

Já era de se esperar que uma série de super-heróis levasse a sério seus momentos de ação e porradaria. Todavia, Falcão e o Soldado Invernal surpreende o espectador com sequências de perseguições aéreas, explosões e uma direção coreografada da ação a nível de longa metragens blockbuster.

Mas isso é só o começo.

Num mundo pós Blip

O mundo está em pedaços após metade do universo desaparecer com um estalar de dedos e reaparecer somente 5 anos depois.

Nesse meio tempo, as pessoas que ficaram tiveram de lidar com o desaparecimento súbito dos amigos e entes queridos. Por mais visceral que seja, o tema principal de Falcão e o Soldado Invernal é na verdade o impacto social e político dessa tragédia na vida de pessoas normais.

Além disso, os próprios heróis que levam o nome da série tomam cada um o tempo de tela que precisam para transparecer seus traumas e dificuldades no pós Blip – estalo de Thanos.

Marvel aposta em heróis mais humanizados na era Disney+

Assim como Vingadores: Ultimato, os heróis do MCU (Marvel Cinematic Universe) dessa nova era terão tramas mais pessoais.

Antes, podíamos contar com apenas alguns minutos de desenvolvimento para cada personagem. Enquanto que agora, em Falcão e o Soldado Invernal, os detalhes da vida de Sam Wilson, o Falcão, são muito bem explicados. Às vezes, até de forma verborrágica se comparado com seu colíder de roteiro, Bucky Barnes, o Soldado Invernal.

E enfim temos uma cena em que um personagem vai ao psicólogo tratar dos seus problemas, pela primeira vez na história do MCU!

Bucky vs Soldado Invernal

A série e se torna mais densa com os fantasmas de Bucky Barnes. Dentro da narrativa do universo Marvel, o personagem vivido por Sebastian Stan tem lá seus 106 anos de idade, posto que em maior parte deles viveu a comando da Hydra, como o Soldado Invernal.

Assim que, aqui em Falcão e o Soldado Invernal, podemos ver como é o dia a dia atormentado por pesadelos de Bucky Barnes. Até o acompanhamos em um encontro e ouvimos diálogos que se assemelhariam a um drama, com a comédia pontual – na medida – da Marvel.

Por fim, Sebastian Stan demonstra muito bem o conflito interior no seu papel e toda direção de Kari Skogland conta a história de forma íntima.

Os easter eggs da série

Para os que têm olhos sagazes, há uma cena no museu dedicado ao Capitão América, na qual milhares de referências dos precursores filmes da Marvel são dispostas em tela. Desde o primeiro filme do Capitão América até os acontecimentos de Vingadores: Ultimato.

Se achar alguma, conte para nós aqui nos comentários, então vamos discutir.

A disputa pelo escudo começa

Escudo do Capitão América, Falcão e o Soldado Invernal - Divulgação
Escudo do Capitão América, Falcão e o Soldado Invernal – Divulgação

Ao final do episódio somos apresentados para um novo personagem, que por enquanto empunha o antigo escudo do Capitão América. Embora Sam o tenha recusado, fica claro para ele e para nós que sua decisão não foi respeitada como imaginava.

Mais cedo no episódio, quando ele renega o escudo do amigo, acrescenta:

“Precisamos de novos heróis, condizentes com os tempos que vivemos.”

Enfim, quando o suposto novo capitão é anunciado, percebemos que essas palavras foram distorcidas a favor do governo, que agora tem seu herói particular.

O nome do novo “herói” é John Walker (Wyatt Russel). Nos quadrinhos, o personagem surge com um perfil extremamente nacionalista e é obcecado por se tornar um herói. Portanto, basta saber se o novo papel despertará um perfil mais brando ou mais cruel.

E você, o que achou do primeiro episódio de Falcão e o Soldado Invernal?

Já prepare a pipoca, porque vem mais ação por aí!

Imagens de Marvel Entertainment / Reprodução

Fabricielo

Redator e Copywriter

Sobre o Autor

Escritor, poeta e redator de conteúdo para web na Vanguarda Marketing & Consultoria.

Visualizar Artigos